Total de visualizações de página

segunda-feira, 20 de agosto de 2012

Sob os Reis Olimpianos




Olhei pro  o céu..

O mundo que estamos está passando por uma transformação iminente, há muito se tem materializado esta transformação como transição de Era e para outros já com aspectos mais impressionáveis aproxima-se do fim da existência; Aos transcendentais, o imediato nascimento de uma outra vida substituindo a atual, a astrologia é uma ferramenta assim como as demais ciências e apoios científicios, que tem galagado o Homem de encontro a si próprio.
Observando o céu, percebemos que de muito antes Ele já nos observa, a seguir transcorro a respeito dos movimentos celestes que tem se mostrado fortes e duradouros, nesse nosso plano, ano, na nossa amada mãe-terra!
Urano cruza áries desde março de 2012; a última vez que este trânsito ocorreu foi por volta de 1935 com a emersão do nazismo; é claro que hoje temos apoio de outros posicionamentos e uma evolução que não nos fará cair nas armadilhas de nenhum Führer sádico; O transito de Urano por áries em um tempo de tecnologia, prevê a renovação do que outrora era inovador! Pode parecer confuso em princípio, mas se colocarmos as lentes futuristas uranianas com a cor do impetuoso áries, o movimento de renovação é claro; Urano rege intimamente o que precisamos para sentirmo-nos livres e em áries está qualificado com a identidade; será necessário saber o que se quer, quem se verdadeiramente é e a direção que se deseja tomar para poder melhor desfrutar este transito e colher de suas bênçãos, aos arianos uma necessidade de movimento se instala e mais fortemente necessitarão de sua independência e liberdade.
Aries e Urano são intensos e corajosos, as lutas pelo o que era segregado e proibido ganha a força do guerreiro de Marte e o respaldo da revolução uraniana. O rompimento com os antigos dogmas toma  força, este trânsito durará por volta de sete anos, então se há algo que você queira lutar, uma causa, um ideal é hora de colocar a voz pra fora! É tempo de mudança.
Porém como tudo é limitado, até o próprio Urano mitologicamente sofre uma castração; e nos próximos anos estaremos influenciados a conquista do novo, é preciso ter em mente sobre o que realmente vale lutar não desperdiçando energia vital com causas que exijam pouco, é possível que o ímpeto de áries segue o duelista entre novo e velho, ainda assim
sofrerá as influencias do, como diria um mago amigo,  Saturno soturno agora  em Libra!
Saturno traz o controle, o trabalho e a lapidação para o crescimento e em libra os relacionamentos pedem passagem , uma certa rigidez na etiqueta se faz presente; a necessidade de equilíbrio é  necessária ; as relações que conseguirem carregar as características librianas darão mais atenção a vontade do outro do que somente a sua, porém Saturno é velho e como todo velho gosta de suas vontades o que torna comum o conflito entre o eixo Eu-Outro,poderá ocorrer um sentimento de desvalorização do Eu por necessidade de ver o outro bem.
Saturno em libra, é Lei! E a Lei é: Seja ético e de preferência com doses de elegância para poder colher as bençãos do juiz saturnino. Ele traz a consciência de que o Outro também possui necessidades, prioridades e vontade.As relações sociais buscam pela educação e etiqueta, ou seja, ser educado é totalmetne In; Não que tenha deixado de ser algum dia mas beneficiado por este trânsito quem apresenta esta conduta ganha melhor aceitação e admiração social. A busca da harmonia vem a base de chumbo com saturno desde 2010 ordenando equilibrio!
E Tem o plutão no meu querido signo solar; Capricórnio! Transformando toda a estrutura hierarquica-social e os valores! Mas este dá mais pano pra manga ainda.. esclareço em um outro texto!

Sob a benção da tecelã das estrelas;


Moara Steinke.

terça-feira, 17 de julho de 2012

Por trás do Mito de Deméter e Perséfone





"Feliz é aquele que dentre todos  os homens  vivenciou  os Mistérios. Aqueles que não foram iniciados, nem deles participaram, não irão usufruir da mesma sorte quando vão morrer e mergulhar na tenebrosa  escuridão”  - Homero.



A disseminação do mito de Deméter e Perséfone, concretiza-se com a vivência dos Mistérios Eleusianos, estes que possuíam  uma sacralidade de tanta valoração para o povo grego, que sem sua celebração anual, o mundo caíria no caos, Estes mistérios  tratavam  da iniciação dos indivíduos em  um cerimonial à longo prazo, dividiam-se em dois: Mistérios menores, vivenciados durante o período do equinócio de primavera,  que abordavam  desde o padecimento da carne para a chegada à Eleusis através da floresta , onde os candidatos vivenciavam a mãe terra em todos os seus aspectos e libertavam-se do primeiro estágio mundano; muitos autores relatam que durante este período da vivência os candidatos à iniciação faziam um sacrificio de um Porco - o animal consagrado à Deusa da Fartura dos Grãos -  e os Mistérios Maiores, acontecidos na época do equinócio de outono, regendo a descida de Perséfone ao mundo avernal e o primeiro domínio dos Demonios interiores

Com as invasões indo-européias e o fim da veneração do culto supremo à grande Deusa na Europa por volta de 2.500 a.e.c. A figura do patriarcado foi ganhado cada vez mais força, firmando no panteão grego um Todo-poderoso Zeus, que é concebido mais firmemente após as conquistas do sul europeu. Os contos ocidentais, tendem a separar as mulheres de seus seres amados ou seu objeto de felicidade, não diferente dessa influência; A virginal Kore é retirada dos braços de sua Sagrada mãe.
Deméter e kore, pertencem ancestralmente a tradições matriofocais, onde os mistérios passados se restringiam somente as mulheres, com a perpetuação e a pulverização de seus mitos, os mistérios eleusínos começaram a aceitar também todo aquele que falava grego e não tinha as mãos sujas por sangue.
O desenrolar do tempo trouxe o surgimento de novos Deuses que assumiram a forma das Antigas deidades femininas, incorporando seus simbolismos de uma forma de culto geocêntrica, Incorporando não só ao mito de Deméter e Perséfone  mas movimentos de raptos e estupros, tornando as Deusas sempre em um papel subjacente as divindades masculinas.
Seguindo por este caminho, o mito de Deméter e Perséfone é apenas uma releitura de convenções sociais enraizadas na psique, agora  já frágil; de mulheres que aprendem a servir sem questionar.
 O convite é para um novo olhar sobre o mesmo mito, tanto retratado por psicólogos, espiritualistas, antropólogos..

Do prisma  matriarcal que se reporta de maneira fiel aos antigos mistérios,
 A atenção está  no poder de  transformar regente da energia feminina e seu  ponto culminante é a relação 
saudável entre mãe e filha, as retirando então da figura subjugadas por Deuses masculinos.

 A Deusa no drama resgata a jovem Kore, que desceu ao mundo subterrâneo após ouvir o suplício dos mortos, de livre e espontânea vontade; quando ela volta do submundo vestida na face de Perséfone, já absorveu então a figura masculina gerando assim um filho, retratado futuramente como a ingestão de sementes de romã.

Neste processo, a transformação de Kore resguarda é a verdadeira consagração do mito. Perséfone,  Deméter e Hécate reforçam então a tríplice divinal da Deusa, como eterno ciclo de morte e renascimento.
E assim os mistérios eleusínos,perduraram por quase dois mil anos sem que ninguém revelasse seus rituais.

quarta-feira, 11 de julho de 2012

Viagem para Inglaterra e Irlanda \O/

Quem puder contribuir :)


Viagem para Inglaterra e Irlanda: Participe da minha vaquinha!

sábado, 2 de junho de 2012

Trabalhando com Espelhos



Desde a antiguidade os espelhos causam frisson, inúmeras vezes utilizado para intermediar o entremundos, até hoje são uma ferramenta mágica  que revelam mensagem aos médiuns que os utilizam através de impressões  mentais e imagens, a natureza psíquica se torna perceptiva a energia sutil que emana, e quando bem direcionada é capaz de revelar até conhecimentos futuros.
 Dizia-se que espelhos muito antigos sempre traziam um mensagem ao ponto de muitos evitarem seu reflexo.
Mitologicamente, nos remete ao mito de Narciso, o homem que apaixonou-se pelo próprio reflexo, mas para além disso os espelhos são portais que intermedeiam dimensões, quando conscientemente direcionado, o sacerdote então é levado a um estado de indução mental parecido com o  do sonho, onde imagens se formam trazendo uma realidade espiritual, ou até mesmo um simbolismo necessário para alguma evolução.
Um dos oráculos mais delicados, os espelhos possuem uma egrégora iminente,  desde a madrasta má que recitava o : Espelho, espelho meu... Buscando informações; até a sua quebra trazendo o popular "7 anos de azar" , há indicíos que os mitos de azar relacionados a quebra de espelhos tenham se firmado devido a estes  manifestarem um meio de contato, entre os espíritos e encarnados, sua quebra então resultaria na quebra de um portal rompendo este vínculo com o mundo sutil, a partir desta crença então surgiu que qualuqer espelho quebrado, independe se estivesse consagrado ou não traria azar sob a ira dos mortos.
Há diversas técnicas de trabalhar com este oráculo divino, quem já não conversou com seu reflexo no espelho do banheiro? Ou por alguns minutos fitou-se buscando alguma coisa que nao sabia o que, espelhos nos halls de entrada, os de bolsa, os das águas. Todos eles possuem uma ligação energética, as vezes leve por serem excepecionalmente terrenos, ou até por terem criado uma egrégora de assombração, ou seja, quando a energia é colocada em demasia sobre um espelho muitas vezes uma crendice, que não era necessáriamente real, mas passa a ser devido a constância de reecriação energética implicada sobre ela.

Dentro da magia, o espelho é um dos últimos meios espirituais a serem trabalhados pelo caminho do neófito, pelo fato de serem portais e deverem ser muito bem ancorados pelos guardiões de quem ingressa no mundo dos reflexos, os espelhos podem se mostrarem completamente ilusores, pois recriam ações, são reflexo de quem se coloca diante deles. Por isso, a atenção é para o que se vai trabalhar, pois hoje é comumente disseminado o rito de puxar a lua para o espelho na wicca, e muitas vezes isto é feito de uma maneira negligente e sem conhecimento, o que pode causar malefícios para quem o faz, ao mesmo tempo que um hábil magista é capaz de trazer todas as bençãos que se manifestam quando a Grande mãe Lua desce  à terra.

Há meditações de sombra que são induzidas pelo espelho, mas pra quem começa já é uma boa pedida convesar com seu reflexo sob a luz da lua cheia, o que acaba muitas vezes trazendo um entendimento muito mais real e verdadeiro do que aquele que busca desbravar o entremundo com esta ferramenta santa.
Entre Luz e Sombra
Abençoados sejam.

sexta-feira, 25 de maio de 2012

Dançando com o Animal de Poder.




A dança e a música estão intimamente ligadas com a expressão humana.  Os deuses antigos velam as artes desde o início dos tempos como maneira de exteriorizar a espiritualidade; ou seja numa concepção mais particular a arte é uma forma de ofertar a  manifestação do Deus interno ao grupo, e a maneira facilitadora de se reconectar à ele (a).
As formas de catarse, são utilizadas dentro do caminho antigo para que se possa reestruturar  os arquétipos conscientes, libertando dos grilhões  que mente impõe ao nosso corpo emocional e  espiritual e sem dúvida a dança sempre apareceu como uma maneira prazerosa de reativar o poder interno, manifestando assim a sacralidade que habita em cada um.
Dentro de diversas culturas espiritualistas, quando dançamos elevamos nossa mente a outro plano, nos facilitando o acesso entremundos, pois as danças ritualísticas não cessam até que a mente esteja completamente envolvida no círculo traçado e na atividade focada, não há espaço para obstruções de pensamentos e preocupações insignificantes.
O animal de Poder é uma das couraças energéticas que nossos guardiões utilizam para se manifestar, facilitando a comunicação entre guardião e velado ; as antigas tribos indigenas colocavam o animal de poder como parte do espírito representada de maneira selvagem, que acabava por compor o ser em essência, como energia que completa e facilita a intercomunicação com as forças naturais e sagradas.
Distante de técnicas e aperfeiçoamentos estéticos, as danças tribais reavivavam o ser humano em perispirito, trazendo a sacralidade à tona.
Quando se dança com e para os Deuses, sejam eles representados por animais guardiões, espíritos antigos ou forças naturais;  purificamos a consciência curando as mazelas que o atordôo diário infere.

Dançamos com o espírito guardião a  dança sagrada; que normalmente se dá ao redor de fogueiras em meios nem sempre ritualísticos, mas obrigatoriamente em  círculo; Pois como há muito se observa a existência é circular, ofertamos então nosso coração à  força criadora vital que nos rege e assim plena em gratidão ela nos corresponde. Entramos assim no processo de regeneração da consciência onde é possível repaginar antigas respostas que há muito flutuavam no rio da mente, que então poluído de obrigações e temores havia se tornado estéril.

Os Xamãs,  dançam para um determinado animal; reverênciam a energia que está sob o domínio deste; permitindo  através dos movimentos repetidos em sua similaridade,   serem abençoados por esta força .
Quando o dançarino está entregue,  coloca seu espírito para dançar junto e não mais a mente coordenando os movimentos, ele então é capaz de acessar a linguagem secreta da vida, que habita todas as coisas, pois assim como a existência, ele deixou-se fluir com o sagrado fluxo da fé.
A dança é simples, imita os movimentos dos animais, seus sons, as vozes da mãe natureza, normalmente  adorna-se como mais parecido com a energia animal se possa estar, tudo isso girando  em um movimento perfeito de coesão entre mente, coração e espírito.
Com o tempo e as ferramentas certas recebemos aprendizados destes espíritos, instrumentos de cura e até mesmo canções que podem ser entoadas durante essa dança sagrada, dessa forma a Grande mãe, o Grande mistério revela mais uma vez um de seus segredos..a simplicidade de estar em tudo e em nada ao mesmo tempo.



Abençoados sejam,

Moara Steinke.

sábado, 19 de maio de 2012

Eclipse solar 20 de maio de 2012

  



Evoluir é a lei. 



No dia 20 de maio desta ano ocorrerá um eclipse do sol às 20 e 54, no horário de Brasília; Com o avançar do ano de 2012, cada vez mais eventos astronômicos tem se revelado. Há rumores de que o eclipse de 20 de maio seria o tão esperado de dois mil e doze e não o dia do solstício de verão, como corre na mídia. Este eclipse ocorrerá à um grau de gêmeos e será visível apenas no Hemisfério norte.
A Lua passará em frente ao sol , alinhando-se à ele e ao planeta Terra, porém não o cobrindo totalmente, o que resultará em um anel de fogo, este fenômeno possui um especial reverbe no meio holísta pois estará alinhado com Alcione, a brilhante estrela pertencente as pleiades, localizada à 28 graus na casa de touro. Há várias teorias que colocam Alcione como o coração do Universo onde todas as galaxias se alinharam e surgiram, estando então nesta data a Terra de volta à seu alinhamento original , cobrindo o planeta de sua luz divinal.
Históricamente os Eclipses sempre foram fonte de temor, e durante este ano tão poderoso na egrégora mundial, ganham uma força especial. A origem do termo eclipse surge do grego tendo sua tradução por sem luz, referência ao sumiço do astro-rei, descartando em um primeiro momento os demais, pois a real definição de eclipse é quando um planeta¹ encobre o outro.
Energéticamente e pela leitura astrológica, a Lua representa o passado e o aprendizado já obtido pela alma enquanto o sol as aspirações do que devemos buscar, esse confronto de passado e futuro, resultará na revelação das primeiras sombras à serem trabalhadas, para atingirmos essa evolução que vem se manifestando em dois mil e doze. 
Posicionada no âmago de Touro, a Mãe cósmica determinou a evolução, cronologicamente e por uma série de temores da própria emoção, a humanidade focou sua atenção espiritual para 2012, Gaia em seu amor profundo pelos seus filhos deu a lentidão para essa transformações, inevitavelmente a energia amável residente no trono de Vênus, cobrirá a Terra, entrando oficial e finalmente na Era de aquário. A nossa galáxia leva 26 mil anos para completar a volta em Alcione, que dividindo pelos doze signos do zodíaco resultaria nos 2.160 de cada Era astrologica.
Não são previstos cataclismos, a não ser os internos. Todos esses eventos colocam a humanidade no caminho da evolução, para enfrentarmos e curarmos nossas chagas psíquicas e espirituais. Ou seja, a dica é: Comecemos limpando nossas mágoas profundas e já esquecidas que acabam tirando o brilho da vida, a partir de então busquemos esta conexão com a energia maior criadora. 
E quanto aos eclipses nunca é saudável que estejamos emocionalmente com pendências, com o copo cheio, pois ele transbordará, virará. Afinal de contas a escuridão da lua cobrirá o consciência do Sol, tirando do controle as emoções que foram amarradas e jogadas no fundo da gaveta... é necessário rumar a trilha da evolução.
Se quiserem detalhar mais a energia do dia, é só calcular o mapa com os dados do eclipse, e eu indicaria dar uma olha em Vênus,saturno e plutão que estão retrógrados e a posição de Quíron.

Então, vamos lá galera rumo à essa nova aventura espiritual com consciência e determinação,afinal são os desafios que os Deuses colocaram nos nossos destinos!

¹ - Lê-se por corpos celestes em geral.

Sem mais, 


quinta-feira, 19 de abril de 2012

A Deusa escura.




Muitas são as faces da Grande mãe que sofrem a incompreensão do patriarcado, mas nenhuma desprendeu tanto os seus ataques como deusa negra,mais do que uma manifestação de fé, ela é ferramenta que transforma nossa sombra em estrutura de poder.

Está manifesta no mistério incompreendido, que nos lança a própria escuridão toda vez que tentamos tocá-lo.

É a sua face negra, que nos acolhe quando habitamos a noite escura da alma, e em seu colo Ela lambe nossas feridas, quando com nossos corações aflitos, muitas vezes não a reconhecemos, a renegamos, seguimos o instinto da revolta e como animais feridos, atacamos. Fechamos os olhos para o mundo que não se manifesta fisicamente, é então que ela comprova: Mesmo desta forma seguimos sua trilha; na intensa noite ela se esconde e chama-se de o breu sem fim, a ouroborus, a vida que putrifica pra transformar e renascer, é ela que negligenciada e incontavelmente proíba, foi escarnecida e recriada pelo pendão da cristandade , e ainda assim sobreviveu aos ataques dos próprios filhos.
Ela nos acompanha pelos ritos de passagens, nos dias de prova, no último dia da labuta já exausta. Está no surto de revindicação do Poder pessoal onde que quando se manifesta gera espanto, a Grande Mãe Negra, é o desconhecido e intocável que emerge sozinho;o subconsciente.

É da escuridão profunda que surge a luz da vida juntamente com a resolução dos mistérios, e é por isso que mais uma vez no minguar da Lua me entrego em fé perfeita à floresta negra e absoluta da Grande mãe.
Reveindicando mais uma vez em seu nome, a sua sacralidade.


Moara Steinke